segunda-feira, 23 de julho de 2012

Do que os homens gostam? - Coisas que odiamos nas mulheres (3)

Esse artigo finaliza a trilogia “Do que os homens gostam?”. Esse assunto não poderia faltar. Às vezes não errar vale mais do que um acerto. Digamos que deixei o melhor para o final (ou não, tanto faz). Fiz uma lista de motivos que irritam um homem tão profundamente que o leva a pensar: “ficar solteiro é a melhor opção”. É o que todo homem diz, até encontrar uma mulher de verdade, e espero que você seja esse tipo de mulher.

Feminista – Sem dúvidas, esse é o motivo número um. Defino as feministas da seguinte forma: “mulheres que odeiam as mulheres e invejam os homens”. Para um homem isso é o fim! Uma mulher que deixa de lado a feminilidade e a higiene por conta de uma ideologia tão mesquinha é o tipo de pessoa que queremos distância. Isso não tem nada a ver com direitos, apenas comportamentos.

Detentora do saber – Por questões sensoriais que não se desligam, sendo assim mais apuradas, algumas mulheres pensam que têm algum tipo de sexto sentido e que tudo o que passa por sua cabeça é uma verdade absoluta. Se você pensa assim, sério, desligue o cérebro um pouquinho. Deixe-o descansar. A não ser que seja em relação ao seu filho, mas se o cara nunca teve uma ligação direta com o seu cordão umbilical, por favor, pare! Nem tudo o que passa pela sua cabeça está com a razão ou realmente acontece. Você é humana e comete erros como qualquer outro ser humano.

Mau humor – O mau humor é tão contagiante quanto uma gripe suína, quem o percebe logo quer se distanciar. Melhor prevenir do que remediar. Mesmo que você tenha todas as qualidades, se for mal humorada, o mau humor vai se sobressair. Não riu da nossa piada? Perdeu um ponto. Fez-se de vítima? Ops, menos um. É pessimista e põe defeito em tudo? Menos 100 pontos. Game Over! Ah, sim, os hormônios, não os esqueci. Cientificamente, você não está fadada a ser uma pessoa desprezível por causa deles, então pare de usá-los como desculpas. Momentos de mau humor são naturais, mas são apenas momentos, não os eternize.

Vocabulário pobre – Precisa falar gírias e palavrões o tempo todo? Não existe forma mais eficaz de perder a admiração, elegância e feminilidade de uma só vez.

Carência demais – Todo homem gosta de ter o seu tempo sozinho, sem fazer nada, ao menos uma vez por semana. Isso é sagrado! Se você já ouviu alguém falar que você o sufocava, isso é um péssimo sinal. Mesmo que a liberdade seja relativa, perdê-la nunca é agradável. Sem contar que a saudade intensifica o sentimento e dá mais qualidade aos momentos juntos.

Animação demais – A palavra mais adequada para isso é “escandalosa”. Cara, sério, não seja o centro das atenções. Não gargalhe, ria como qualquer ser humano. Não fale alto demais e nem protagonize barracos, chega a ser vergonhoso. Na psicologia, pessoas que agem assim se enquadram facilmente no quadro de depressão ou baixa autoestima.

Drama demais – “Ah, deve ser por que eu sou gorda”; “Eu faço tudo por você e você não faz nada por mim”; “Não aguento mais! Vou me matar”;... e blá blá blá. Por favor, não se faça de vítima, o mundo não está contra você. Os amigos deles não são todos idiotas e nem te odeiam. Ele só foi jogar futebol, não precisa competir com isso. Ele não está te ignorando, pode ter acabado a bateria do celular ou acontecido algo que não o permita atender agora. Nada é como acontece nas novelas. Entenda isso.

Possessividade e Insegurança Apenas leia esse curto desabafo masculino:

Eu não aguento mais, meu celular já não é meu, minha vida social acabou, nem jogar futebol com os amigos em paz eu posso mais. Qualquer coisa é motivo para discussão. Eu só saio de casa se ela for junto. Eu nunca posso ser eu mesmo, basta uma risada e ela começa a agir igual uma doida, desconfiando de tudo. Sinto falta de quando a senha era algo pessoal. Meus amigos tentam falar comigo e não conseguem, e ainda fico com fama de “metido”. Sinto falta da minha liberdade.

Comparativismo – Não estamos nenhum pouco interessados no que o namorado da sua amiga fez por ela, nem no presente ela ganhou ou no tipo de demonstração de amor que ela recebeu. Jamais compare um homem com outro, até porque a maioria das comparações é pejorativa. Isso é insuportável!

Atrasar compromissos – Principalmente quando o compromisso é com os amigos dele. Se são 18:30, o compromisso é as 19:00 e você demora em média uma hora para se arrumar, raciocine um pouco e comece a se arrumar com antecedência.

Santarrona ou Vulgar – Ninguém é tão santo que nunca tenha pensado besteiras, e vice-versa. O extremo de querer passar a imagem perfeita, e o contrário também, é uma clara mensagem de desequilíbrio. É preciso saber se postar e, também, se adaptar ao ambiente da forma mais propícia. Em alguns lugares uma atitude é boa, em outros, essa mesma atitude é reprovada. Seja equilibradamente você mesma, mas evite a exposição desnecessária.

Não demonstrar interesse em nossas vidas – Não chamar para conversar; não dizer que está com saudades; não perguntar sobre nossos sonhos e projetos; não elogiar nossas conquistas etc. etc.

Esses são os primeiros motivos que vêm a minha mente. Alguns outros cuidados são necessários:
·        Jamais permita que seus parentes se intrometam na sua relação;
·        Não ressuscite o passado;
·        Não questione a vida íntima passada;
·        Não faça chantagens, com absolutamente nada;
·        Não o contrarie o tempo todo, principalmente em público;
·        Interaja com os amigos dele, ao menos tente.
·    Diga a verdade, mesmo que ele fique zangado. É melhor ficar zangado por um momento do que ficar desconfiado o tempo todo.

     É chegado o fim, senhorita. Que você possa se conscientizar e praticar, evoluir cada vez mais e não desistir nos primeiros erros. Espero que sejas feliz.

Um abraço.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Do que os homens gostam? - Expressão (Comunicação) não-verbal (2)

Entenda “expressão” como a forma mais bela de ser você. Há muitos padrões atrativos sendo imitados, mas, digo-te, não é bom forçar expressões que não se encaixam na sua personalidade só porque é mais atraente. Existe uma forma totalmente atraente de ser sem que você deixe de ser apenas você mesma.
Se eu te disser uma realidade, por exemplo: se não quiser morrer solteira, aprenda a ser feminina; não quer dizer necessariamente que exista uma forma única de ser feminina, é importante que você encontre e aperfeiçoe a sua própria forma de ser. Tem muito a ver com você conhecer a si mesma.

A expressão corporal (comunicação não-verbal) tem um poder comunicador muito mais intenso do que a expressão verbal. Temos em mente que mulheres não dão a iniciativa, mas, se ela deseja que um homem dê a iniciativa, ficar parada não adianta. É preciso comunicar-se de alguma forma. Os homens não leem mentes, leem corpos, ou pelo menos deveriam. Não é raro ouvir uma mulher dizer: “tem homem que é muito lento”; ou “ele não se toca, nunca percebe”. É claro que existem aqueles que realmente são horríveis nisso, mas não dá para abrir a cabeça dele e dizer o quanto ele é ruim nisso, cada um só pode mudar a si mesmo.

Contudo, a linguagem verbal não deve ser deixada de lado, uma conversa agradável é a mais alta demonstração de inteligência. Mas querer demonstrar interesse apenas pela conversa pode fazer-te parecer desesperada e chutar o homem para bem longe de você. É preciso aprender a fazer o corpo falar.

Ah, antes que eu me esqueça, as expressões atraem homens à sua altura. Então tente não focar muito na exaltação de seios e glúteos, mas em suas roupas e expressões, tais como maneira de se comportar e gestos. Ser atraente é diferente de ser apenas bonita, e ser sexy é diferente de ser vulgar. Talvez esse seja um tabu em nossa cultura que precise ser destruído: mulheres mais femininas e atraentes não são as que usam shorts minúsculos ou decotes extravagantes. Essas expressões passam a mensagem muito forte de desvalor. E o valor que você dá a si mesma influencia muito no valor que o homem dará a você.

1° Vestimentas – Há um abismo entre sexy e vulgar, e esse abismo pode se esconder em apenas um detalhe. Jamais siga uma moda, suas roupas têm que se encaixar com a sua personalidade, você precisa experimentá-las, escolhê-las. Se a sua roupa for padronizada, outras pessoas que as usam podem colocar sobre você a impressão da  personalidade padronizada que elas têm, mesmo que você seja única e original. Antes de agradar a alguém, agrade a si mesma, o conforto vai lhe proporcionar confiança. Não mostre demais, troque extravagâncias por sutilezas, use roupas que não enganem, mas que acompanhe perfeitamente as medidas do seu corpo. Esqueça o padrão! E não use roupas largas, é sério.
Preferimos ver mulheres em vestido à calça, mas não significa que não gostemos de calças, desde que não sejam rasgadas. Minissaias são bem atraentes, mas é preciso ter cuidado com a mensagem e o valor que elas passam. Salto alto em ocasiões específicas, sandálias de tira e rasteiras impressionam com facilidade; na verdade, pés delicados e bem cuidados à mostra levam qualquer homem às alturas.
Obs: o conceito de vestimentas varia de acordo com a cultura.

2° Comportamentos – Que homem não gosta de mostrar a todos que sua mulher é inteligente? Não há nada que torne alguém mais vulgar do que um comportamento inapropriado, mesmo que esteja usando a combinação perfeita de roupas. Obviamente, uma mulher que descobre sua feminilidade e a evolui, é diametralmente oposta ao homem que descobre sua masculinidade e a evolui. No fundo, nenhum homem quer a versão feminina de si mesmo; mas é claro que isso não envolve gostos pessoais, tais como jogar videogame ou ter um estilo musical diferente, na verdade nós amamos uma personalidade própria. Existem alguns comportamentos que fazem total diferença: ser discreta, cuidadosa, vaidosa, cheirosa, sorridente, expressar sentimentos, feminina e outras características desse seguimento.

Mas se você for feminista e estiver pensando em uma frase que comece assim: “Ah, mas se homens blá blá blá...”; preste atenção:

Não queremos uma mulher explodindo gases intestinais, arrotando, anunciando que vai defecar ou falando palavrões a nossa frente só para dizer que é espontânea. Mesmo que você pense que isso é um sinal de intimidade, por favor, evite fazer esse tipo de coisa. Educação faz toda a diferença! As pessoas já sabem disso, o problema são as feministas de orgulho ferido querendo induzir mal as verdadeiras, doces e amáveis mulheres.

3° Gestos – Seres humanos tendem a fazer gestos inconscientes quando se sentem atraídos por alguém, para que, assim, o “alvo” também se sinta confortável e atraído, confortável para se aproximar e iniciar algum tipo de contato. É o que eu chamo de “indicadores de interesse inconscientes”. Indicadores femininos e masculinos são diferentes, mas vou elencar alguns femininos. Usá-los é por sua conta.
·        Reinicie a conversa quando ele parar de falar;
·        Contribua com o seguimento da conversa;
·        Ria de tudo que ele disser (não precisa ser engraçado);
·        Use qualquer desculpa para começar uma conversa;
·        Elogie (faça-o se sentir um herói);
·        Passe a mão nos cabelos, ou brinque com eles;
·        Vire o corpo na direção dele;
·        Seja divertida e desafiadora;
·        Aproxime-se;
·        Toque-o em qualquer lugar, nada melhor do que o contato físico;
·        Empine os seios;
·        Acaricie qualquer objeto;
·        Faça contato visual e mantenha-o por um momento;
·        Invente razões para ficar perto ou a sós;
·        Não critique o que ele disser, nem mesmo o ambiente, e não seja controladora;

Existem muitas outras maneiras e expressões não citadas aqui, mas não custa nada pesquisar.

Até a próxima.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Do que os homens gostam? - Feminilidade (1)

Muito a respeito do ser humano se entende através da biologia, mesmo que o senso comum tente deturpar os valores. A atração torna-se um exemplo porque não é uma questão de gosto, mas de imposição biológica. Ou seja, não é optativa. O processo de atração determina como escolhemos nossas parceiras, e vou lhe explicar por que nos atraímos mais por uma garota do que por outra, instintiva e inconscientemente.

Captamos no rosto, no quadril, nos movimentos, no cheiro e no timbre da voz, por exemplo, o conjunto de qualidades genéticas favoráveis para reproduzir/passar adiante os nossos genes da maneira mais saudável possível. Em suma, as mulheres que mais atraem um homem são as que apresentam maiores valores reprodutivos. Não é a toa que muitas mulheres buscam colocar silicones nos glúteos. Glúteos maiores é sinal de maior resistência a doenças de metabolismo e cardiovasculares. Inclusive, a essa “abundância” é atribuído “poder”. Isso é totalmente genético, mas é claro que pode haver uma cultura totalmente imbecilizada valorizando isso mais do que se deve.

Ter índices demonstrativos de uma boa saúde é essencial para o processo de atração, e não apenas isso, mas também demonstrações de inteligência, delicadeza e cuidado; até porque um homem não confiaria sua prole a quem não lhe passa confiança.  Mas, hoje, quero focar nos valores genéticos, não na personalidade. Então, como essas qualidades são captadas?

Através da feminilidade corporal.

Sei que estamos em início de século XXI e existem alguns grupos minoritários com egos feridos dizendo baboseiras sem base racional, mas esqueça-as agora. Entenda isso: o rosto e o corpo são a “vitrine genética”.
Ser uma mulher biologicamente não é o suficiente para se dar bem no processo de atração, é preciso aprender a ser feminina, assim como o homem precisa aprender a ser masculino. Essa feminilidade já nasce na mulher, mas isso não quer dizer que ela vai se desenvolver sozinha. São poucas as pessoas que aprendem a desenvolver naturalmente. Então eu vou te passar boa parte da teoria para você aplicar como bem entender, de acordo com a sua criatividade.

Corpo – O nosso cérebro avalia a aparência de um corpo enquanto ele está em movimento. Observamos inconscientemente o quadril e a cintura. Na fase púbere, os hormônios sexuais remodelam a cintura da mulher para o formato de uma ampulheta (ou violão), indicando que o corpo está apto a reproduzir. Isso é uma indicação inexorável de saúde e fertilidade. Em geral, o homem avalia positivamente uma mulher com a média 90x60x90 (cm); 90 de busto, 60 de cintura e 90 de quadril. Outra coisa importante são os traços femininos. Está na genética dos homens a necessidade de ter alguém para proteger. Então esqueça essa coisa de mulher poderosa, independente e blá blá blá; o futuro desse tipo de mulher é a solidão. Atente-se aos seus movimentos e domine-os, torne-o mais femininos, delicados, desde a maneira de andar até a maneira de mexer no cabelo. Desenvolva a feminilidade que existe em você e encontrará a sua própria e melhor combinação atrativa.

Rosto – Quando nos envolvemos emocionalmente com uma mulher, temos lembranças das características que nos agrada em seu rosto, ou próximo dele. Geralmente nos lembramos do olhar, do sorriso, do cabelo, das bochechas rosadas. Não é a toa que as empresas de cosméticos ganham rios de dinheiro para ressaltar esses traços na mulher. Se você tem esses traços bem ressaltados, legal, não precisa recorrer tanto a indústria cosmética, mas se você não tem, é bom dar uma embelezada na aparência e uma elevada na autoestima. E, pelo seu próprio bem, evite tentativas drásticas de chamar atenção como piercings de argola no nariz.

Voz – Em geral as vozes que mais atraem os homens são as vozes de timbres agudos. São mais femininas, saudáveis, sexys, se encaixam perfeitamente na oposição da voz grave dos homens. Uma voz bem postada, doce e saudável, não aquelas que se irrita só de ouvir. A voz irritante também acontece com homens que falam e se expõem demais, é horripilante! Provavelmente um homem não venha a elogiar a sua voz, mas se sentirá atraído por ela, inclusive desejará ouvi-la de novo e de novo.

Cheiro – Não há dúvidas de que o cheiro natural feminino já é um grande atrativo ao homem, mas o cheiro é bem mais complexo do que isso. Um cabelo cheiroso, um cangote cheiroso, uma pele cheirosa. Acho que eu não precisava nem estar falando sobre isso, de tão óbvio que é. Uma pessoa sem graça é definida em um dos nossos ditados populares da seguinte forma: “não fede nem cheira”. O cheiro diz muito sem usar palavras e desperta sensações, emoções e lembranças.

Já deu pra perceber que a atração está ligada aos sentidos humanos, não é? A atração não tem a ver com a sensualidade em si, mas com a genética. Apesar de saber que os homens usariam uma dançarina de funk carioca, por exemplo, não conheço nenhum que levaria a sério a ideia de ter um relacionamento com ela. A sensualidade é bem vista pelo homem depois que há uma atração mútua e, quem sabe, uma relação.

Escrevi mais especificamente sobre visão, audição e olfato. No próximo artigo eu me aprofundarei em outros sentidos, e escreverei menos sobre biologia e mais sobre detalhes culturais.

Nos falamos em breve.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Crianças e influências de um mundo irreal


Infância – fase inicial do desenvolvimento humano. Considero o início a fase mais importante da vida, são os primeiros passos, as primeiras ações, a criação do primeiro mundo. Tudo é real! Sem dúvidas, muito desse “real” influencia suas vidas.

Lembro de minha infância, foi simplesmente incrível rodar peão, jogar bolinha de gude, tazo e supernintendo. Tínhamos que fazer nossos jogos, usar a mente, criar, aprender e dominar técnicas, mesmo sendo simples. Hoje tudo está pronto, tudo está feito. Parece que entramos em um mundo automático, para “viver” basta apertar um botão, ou melhor, deixar de viver. O mundo vive constantes mudanças, e nós, seres humanos, não nascemos adaptados a elas. Infelizmente nem todas mudanças são para melhor.

Há algum tempo eu estava em uma “games”, vi umas crianças jogando Grand theft auto San Andreas (GTA). O jogo é bom, mas não há nada de infantil. Uma síntese do jogo: “O personagem é um homem afro e magro que no decorrer do jogo evolui gradualmente na popularidade marginal e vida bandida. Faz sexo com prostitutas, monta gangues, trafica drogas, anda de Ak 47 ou bazuca na rua e atira só pra ver o tombo, o alvo mais querido são os policiais (impressionante como esse jogo faz ter raiva da polícia).”
Em seguida, vi outros garotos jogando Dragon Ball. Um deles colocou a camisa em cima do joystick e começou a esfregar todos os botões, o jogo é o de menos, a cena mais violenta foi o tapa que o garoto tomou do dono da ‘games’ quando derrubou o Joystick no chão. O jogo nem é tão ruim, mas o anime é violento e influencia absurdamente pessoas sem conceitos formados (crianças). Elas não têm culpa, Dragon Ball é sensacional, um clássico dos animes.

Se entrares em uma escola pública infantil verá que a brincadeira é “luta” do começo ao fim. Eu mesmo soltei vários “kamehameha’s”, falo com experiência. Minha época foi o auge do dragon Ball, sempre tinha alguém soltando um. Mas parece que quanto mais tempo passar pior fica. É natural o ser humano ser territorialista e querer demonstrar força maior em relação a outros.  Porém, isso pode ser controlado com uma boa educação e civilização.

Na escola tinha uma palhaçada no formato “rank porradeiro”. Simples, um se dizia mais forte que o outro. Era normal ouvir dizer “eu bato nesse, sou mais forte que esse e blá blá blá”. Por incrível que pareça, era estabelecido um rank imaginário relacionado à força física. Tudo bem, digamos que isso impunha certo tipo de respeito entre eles. O problema era quando alguém queria subir no rank, e adivinhe... Isso se resolve na briga.
Bom, essa foi uma pequena parte de minha infância. Não sei se hoje é assim ou pior. Melhor nunca fica não é?

Você que é Pai/Mãe ou tem o desejo de ser um dia, imagine um filho. Imagine que você está com seu filho de 3 ou 4 anos assistindo “ben 10” (um anime atual): Ben 10 é um garoto de 10 anos que tem um relógio que o transforma em algum tipo de alienígena, podendo assim espancar os vilões. Às vezes se transforma em um monstro vermelho musculoso de 4 braços (esse é um dos vários). Mentalize uma forte cena de agressão física, algo envolvendo monstros. Neste momento seu filho pergunta: “O que é isso?”... Qual seria sua resposta?

Entenda, essas coisas são o que a criança toma como verdade. Crianças imitam e praticam o que vêem, isso molda suas vidas. Tente controlar o que a criança vê e dê a ele o melhor, afinal, quando crescer você não terá mais controle, apenas o respeito. Dê uma boa criação, conheça e respeite seus limites cognitivos, físicos e emocionais e seja presente principalmente na infância, isso pode gerar um belo futuro e evitar muitos sofrimentos ineficazes. 

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Amor, existe definição?


Existe algo mais banalizado?
Certa vez perguntei a algumas pessoas “o que é amor?”.
Algumas não, várias! Sinceramente as respostas não me convenceram, apesar de que, acredito que não exista uma definição única.

Um deles disse: “amor é chegar perto de alguém e sentir um frio na barriga”.
Outro disse: “ficar com as pernas bambas quando você fica na frente da pessoa”.
Coisas como ficar sem palavras etc. e etc.

A última vez que fiquei tão insatisfeito foi quando descobri que a décima temporada de FRIENDS era a última. A resposta foi tão “pequena” que cheguei a dizer que se isso era amor, eu senti amor quando fui fazer o “número dois” no banheiro da escola depois de ter comido um bobó de camarão (bem brasileiro não?!). Porém, pedi dispensa e fui pra casa, o caminho nunca foi tão longo! Só quero dizer que, isso são sensações (comportamentos respondentes) interagindo com situações não muito frequentes (habituadas).
Depois disso o famoso clichê: “amor é uma coisa que você sente e não dá para explicar.”
Talvez até tenha razão, em partes. Quando ouvi essas respostas logo me veio um dos pensamentos mais profundos de minha inusitada vida: “Que resposta medíocre”.
Típica resposta aceitável para quem não tem interesse em saber nada da vida, pouca qualidade, pouco valor. Não digo que está errado, mas isso basta pra você?
Se soubessem que frio na barriga é sensação de medo e insegurança tanto quanto bambear as pernas, jamais dariam tais respostas.

Como de costume, colocarei uma visão pessoal sobre o assunto. É claro, seguido de estudos, pesquisas e experiências intensivas. E também algumas coisas que percebi sobre amor vendo/estudando pessoas amorosas. Não há definição única, mas tem qualidades evidentes. Tomei nota de algumas características.

Quem ama:
1º - Sofre
Impossível uma pessoa amar outra, em qualquer tipo de relação, e não sofrer. Seja em família, namoro ou amizade. O amor exige que você confie e tenha uma relação de bem-estar, querendo ou não alguém sofre. Incrível é a maneira em que a superação do sofrimento faz o amor crescer e amadurecer.

2° - Não inveja
Difícil uma pessoa amorosa ter inveja. Se consegue amar alguém, é evidente que a priori amou a si próprio. Quando digo “não ter inveja” quero dizer valorizar o que tem e fazer disso o melhor da vida, ao invés de visualizar o que outros tem e imaginar o quanto seria bom se o tivesse.
Valorize, enxergue e ame o que é seu. Se olhar pertences alheios e o desejar, tudo que é seu perderá o valor diante de seus olhos, até mesmo o amor próprio.
Seria aquela velha história, “do vizinho é sempre melhor”.

3º - Não busca interesses próprios.
É cansativo ver relações interpessoais, principalmente entre casais, em que a felicidade do outro é sempre uma troca. Coisas básicas como:
Só deixar a namorada sair se saiu primeiro (vice-versa).
Revezamento para pagar o jantar ou a saída básica.
Erros cometidos dão direitos para o outro cometer um erro (ou o mesmo).

Absurdo! Parece um tipo de dívida imaginária. Consegue ver amor nisso? (Se respondeu ‘não’ ponto pra você.)
Ter uma relação assim é inútil. Chega a ser ridículo!
Pessoas assim não entendem que se arrepender e pedir perdão faz amadurecer, e que perdoar fortalece o amor. Nem percebe que pagar o jantar é uma das formas mais belas do homem sentir que cuida de sua mulher. E que a vingança – ou “direitos iguais” entenda como quiser– é a arma mais letal para o amor e o gelo que esfria o calor da paixão.
Se você realmente ama, sua maior necessidade é ver o outro feliz e sorrindo, ou pelo menos torcer para que isso aconteça. ISSO NÃO PODE SER UMA TROCA! Amar é doar-se.

4° - Espera e suporta
O maior exemplo que consigo me lembrar agora é o casamento. Você conhece o juramento.
“Na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza...”

Em pleno século XXI, casamentos têm sido feitos apenas na saúde, na alegria e na riqueza. Na doença, na tristeza e na pobreza, o divórcio. Pular fora, trair, se acovardar, pedir bens, abandonar. Enfim, por que se casam?

Dentre as hipóteses, a mais razoável e complexa, é que não sabem o que estão fazendo. Talvez pensassem que amar é sentir um frio na barriga e as pernas bambearem, porém, sensações vêm e vão. Entenda que o amor, diferente da atração, é uma escolha. Você diz “sim”, mas tem a opção de dizer “não”. Tanto no casamento como em qualquer outra relação, o amor começa na “decisão”.
Se quiser ter uma relação amorosa, duradoura e saudável não baseie sua relação nas sensações, mas na firmeza da sua decisão e persista. Só assim perceberá que a felicidade procede à superação de problemas, que ser fiel e não desistir pode dar a vocês o poder de sentir todas as emoções e dizer “Nós vencemos”.

Pense e tire suas conclusões.

Gustavo Vinícius